x


RELEASE

Numa viagem que sai do coração e faz escala na minha boca e na sua, com muito barulho, a Banda Beijo faz todo mundo dançar. Todo ano estouram no carnaval baiano e invadem o país com sucesso atrás de sucesso – “Beijo na Boca”, “Vem me dar um beijo”, “Salvador pra você”, “Eu quero beijo”...

E é esse Beijo que pegou seu som, multiplicou por coragem e modernidade, meteu num liquidificador eletrônico e lapidou uma forma nova praquela batucada baiana que invadiu a world music. Netinho (vocal), Gigi (baixo), Júlio Cezar (bateria), Boca (guitarra), Anjo e Fumaça (percussão) e Zé Raimundo (teclados), resolveram inverter todas as polaridades sem perder o fio terra. De repente sai o surdo e entram os tan tans eletrônicos e octobans, e metem-lhe conteúdo para provar que os verbos dançar e pensar podem ser conjugados na mesma pessoa.

Essa é a idéia de “Badameiro” (palavra baiana que dá nome “aquelas pessoas que vivem de catar lixo nos depósitos, para sobreviver), um jeito manso de dar um toque contra a verdadeira legião de badameiros culturais que o Brasil está virando. Uma resposta, um despertador para a indolência musical que estava tentando tomar conta daquelas praias.

Aqui tudo é novo, tudo é revolucionário, nada fica parado, nem dá pra ficar. É um som gostoso, o som que o Beijo faz.

CRÉDITOS DO ÁLBUM
Produção: Ricardo Cavalcanti / Netinho
Direção Artística: Mayrton Bahia
Ano: 1991

FAIXAS
1. Badameiro
2. Meu amor me ama
3. Me dê amor
4. Meninos da rua
5. Nós não prestamos
6. Walking on the moon
7. Tão metendo a mão
8. Uhuru eby
9. Te pego de jeito (musica incidental Cuba Brasil)
10. Divino destino
11. Dance


Badameiro


LETRA DAS MÚSICAS

- Badameiro

(Jorge Krunk / Lyra / Nádia)


Quando estou lá fora 
Estou preso na vida
Suja, imunda, beco sem saída
Fico esperando o resto do mundo
Minha sorte é esse lixo profundo

Ba, badameiro
Ba, badameiro

E vivo todo o tempo nessa catação
Catando a minha vida com as próprias mãos
Virado pelo avesso já não sei se presto
Nesse ambiente já tornei-me ambidestro

Ba, badameiro
Ba, badameiro

No cesto do mundo contínuo e diverso 
Reviro, reverso não tem comunhão
Em bardo profundo enterro a cabeça
Na merda do esgoto, na morte, no não

- Meu amor me ama

(Gerônimo / Ricardo Luedy)


Ô, ô,ô,ô meu amor
Ah, ah, ah, ah me ama

Eu faço tudo que você quiser
Boca do mundo é seu coração
Sou seu escravo, sei que vou sofrer
Mas quando me beija
Dou meu perdão

Ô, ô,ô,ô meu amor
Ah, ah, ah, ah me ama 

O meu presente faz o meu futuro
E o meu passado é o meu viver
Sou seu escravo, sei que vou sofrer
Mas quando me beija
Dou meu perdão

- Me dê amor

(Jorge Zarath)


Ai, ai, ai
Ai, ai, ai, me dê amor, me dê amor

Meu amor, me dá um beijo de mel
Deixa eu entrar no seu céu
Sou sua estrela, sou sua estrela, sou sua estrela

Meu amor, eu tô pedindo pra Deus
Que faça o que quiser
Mas não me deixe, mas não me deixe
Mas não me deixe sem você

Porque nada vai me fazer mais feliz
Eu sei que nada vai me fazer mais feliz
Sem o seu carinho eu choro baixinho
Eu não sou ninguém

- Meninos da rua

(Netinho)


Esse menino da rua, quem é?
Traça o destino com as unhas
É, é deve ser, quando crescer
Te espera a morte, no anoitecer

Toda vida, toda sina torta
Toda tara, toda cara morta
Meu Pai, amém
Tudo que sei
Nota por nota, não soa bem

Criança leve, coração, Brasil
Um gesto de amor te falta
Já raiou a liberdade
No horizonte do país

Esse menino da rua é um rei
Sabe muito, muito mais do que eu sei
Sabe também
Que a vida é fera
Vive na guerra, só sem ninguém

- Nós não prestamos

(Juscelino)


Se eu te faço sofrer
Por não saber decidir
Nós temos algo em comum
Você não sabe exigir

Você precisa saber
Eu te quero só pra mim
Meu amor é pra você
Preta, não fuja de mim

Quero ouvir o teu grito de independência
Defender nossos livros e amar sem pudor
Lutar pelos nossos direitos de liberdade
Nunca ferir o amor

Se eu te faço sofrer
Por não saber exigir
Nunca quero te perder
Preta, não fuja de mim

Nós não prestamos, mas nos amamos
Nós não prestamos, mas nos amamos

- Walking on the moon

(Sting)


Giant steps are what you take
Walking on the moon
I hope my legs don´t break
Walking on the moon
We could walk forever
Walking on the moon
We could live together
Walking on, walking on the moon

Walking back from your house
Walking on the moon
Walking back from your house
Walking on the moon
Feet they hardly touch the ground
Walking on the moon
My feet don´t hardly make no sound
Walking on, walking on the moon

Some may say
I´m wishing my days away
No way
And if it´s the price i pay
Some say
Tomorrow´s another day
You stay
I may as well play
Giant steps are what you take
Walking on the moon
We could walk forever
Walking on the moon
We could be together
Walking on, walking on the moon

Some may say
I´m wishing my days away
No way
And if it´s the price i pay
Some say
Tomorrow´s another day
You stay
I may as well play
Keep it up, keep it up

- Tão metendo a mão

(Dito)


Dim, dim, dim
Dim, briop dim, down
Dim rin dim down, dim rin dim down
Dim rin dim down

A cidade está crescendo desordenadamente
A falta de rango é geral
Que coisa indecente (que coisa indecente!)
Tão metendo a mão, tão metendo a mão
Tão metendo a mão no bolso da gente
Tão metendo a mão, tão metendo a mão
Tão metendo a mão na bolsa da gente, oh!

Até nosso som que é bom
Está sendo garfado
Tem gente de olho na festa e o povo calado
Usando a nossa floresta de um modo safado
E dão um salário minguado
E o povo calado a pensar
Vamos tomar providência, tenha santa paciência
Será que é preciso o chicote
Pra o povo acordar
Será preciso o chicote pra gente dançar

- Uhuru eby

(Roberto Mendes | J. Veloso)


Não é nossa função 
A de transformar
O que é lixo em luxo pra esse lugar
Com retalhos de pano sabemos vestir
O nosso corpo dançando
Ninguém vai seguir
Nós somos os pretos mais felizes daqui
Uhuru eby

Cantamos a África
Não vamos voltar
Apesar dos pesares, temos nosso lugar
Nossa comunidade luta e vai persistir
Pra que se tenha igualdade
Pra todos daqui
Um povo sem passado não tem futuro
Futuro a seguir
Uhuru eby

- Te pego de jeito (música incidental Cuba Brasil)

(Carlinhos Boca / Bira Reis)


Não chegou na hora, vê se dá o fora
Ou explica o que você quer
Te peguei de jeito, invadi teu peito
Tomei conta do teu coração

Não vê que sinto algo belo, forte, sábio
Se é amor, não sei
Gostei, curti, me apaixonei

Ô, ô, ô, ô, quero estar com você
Ô, ô, ô, ô, encontrar com você

Me perdi no tempo entre pensamentos
E mesmo assim sei que vale lembrar
Me tira do sério, me deixa confuso
Dá um vazio, estou sem você 
Não vê que sinto algo belo, forte, sábio
Se é amor, não sei
Gostei, curti, me apaixonei

Ô, ô, ô, ô, quero estar com você
Ô, ô, ô, ô, encontrar com você 

- Divino destino

(Roberto Mendes / J. Veloso)


Divino destino
Que a música me levou
Com seus tons foi colorindo
A harmonia do que é o amor
Sei que tudo vai se esvaindo
Mas os meus sonhos o som concretizou
E que ele seja sempre bem-vindo
Lindo, indo, fintando a dor

Esse mundo vai se expandindo
Cobrindo de mel todo horror
Será um mundo muito mais divino
Terá vez a tez de toda cor 

- Dance

(Jaime Sodré)


Dance
Que a bossa nova agora vai tocar
A corda, o sopro com tamborins
O tan-tan dos tambores de ala
Se a emoção quiser te conduzir
Já que a vida é feita pra dançar
Dance com a sombra
Há luz de sobra pra te iluminar
Quem não dançar
Nega a natureza
A fonte da vida
É o verbo dançar
O som convidou
Dois pra lá e dois pra cá
Vem viver, ser feliz, vem dançar